Depois de denúncia, policiais afirmam ter encontrado condições insalubres. Segundo a polícia, foram apreendidos remédios vencidos e material cirúrgico; algumas peças estavam enferrujadas.

Policiais da Delegacia de Meio Ambiente de Mogi das Cruzes descobriram na manhã desta terça-feira (21) uma clínica e um canil clandestinos em Biritiba Mirim. Os policiais chegaram ao local depois de uma denúncia de exercício ilegal da profissão de veterinário. Entre cães e gatos, havia mais de 80 animais de diversas raças, segundo a polícia.

Os dois serviços funcionavam na mesma chácara da Rua das Castanheiras, no bairro Pomar do Carmo, assim como o comércio de animais.

"O canil e a suposta clínica não têm documentos e está em péssimas condições de higiene, insalubridade, ferramentário de cirurgia enferrujado. Ele nega que atendia como clínica, mas a gente tem informes de donos que levaram cães para procedimentos", detalha o delegado Francisco Del Poente.

Responsável por canil e clínica clandestinos deve responder por exercício ilegal da profissão — Foto: Polícia Civil/Divulgação

De acordo com a polícia, havia ainda no local ainda três pássaros, que segundo o responsável pelo local, têm documentação.

Segundo o delegado , porém, não havia documentação para funcionamento de clínica, canil ou comércio. O responsável pela área afirmou para a polícia ter diploma de veterinário, o que será investigado.

O responsável pelo espaço estava no local durante a manhã desta terça, mas preferiu não falar com a imprensa. O G1 tenta contato com o advogado dele.

Equipamentos que seriam usados para atendimento clínico de animais irregularmente — Foto: Polícia Civil/Divulgação

O delegado Francisco Del Poente afirmou que o setor de zoonoses de Biritiba Mirim foi acionado e vai definir o destino dos animais.

Já a Prefeitura de Biritiba Mirim, disse que não tem Centro de Zoonoses e que aguarda decisão da Polícia Civil sobre o destino dos animais. "A administração municipal esteve no local juntamente com os policiais, mas todos os trâmites necessários serão realizados pela Polícia Civil".

A administração informou ainda que "a ocorrência está em responsabilidade da Polícia Civil".

Segundo o delegado, o crime principal é de exercício ilegal da profissão, mas outras situações estão sendo apuradas.

Por Janaína Rodrigues e Fernanda Lourenço, G1 Mogi das Cruzes e Suzano